quarta-feira, 18 de maio de 2011

O seu vício

É ruim ser viciado, depender de algo externo a você para sentir prazer, satisfação ou felicidade. Mas não tem jeito. Somos todos viciados em alguma coisa, ou substância, mesmo que não saibamos ou não queiramos. E estamos sempre buscando sanar esse vício com outro, substituindo, mas nunca acaba, não importa o quão regrada e correta é a sua vida.

Eu, por exemplo, sou viciada em várias coisas. Algumas as pessoas não se importam, outras, elas ficam aporrinhando. Sou viciada em café, cigarros e doces. Aparentemente, eles liberam uma quantidade bizarra de serotonina na minha corrente sanguínea, o que me causa bem estar e satisfação. Eu não vou negar nem achar isso errado, porque faz parte de mim, da minha natureza e da minha essência animal que eu preso muito enquanto ser humano. Mas pessoas ficam
enchendo o saco, principalmente por causa da mídia estúpida que vive dizendo para os outros o que e como fazer. Se tem uma coisa que eu odeio é quando falam: "Para de fumar, você está estragando sua saúde." Mas cara, quem não estraga a própria saúde? Talvez você não fume, não se drogue, não faça sexo sem camisinha, não coma chocolate ou batata frita, não tome café, mas você, mesmo sem saber tem hábitos e manias que desencadeiam reações químicas no seu cérebro que fazem você sentir prazer. E isso é a vida, segundo Freud. Buscar prazer para atenuar o desprazer. Felicidade plena é impossível, e saúde é só um conceito vago, porque a verdade é que todos vamos morrer um dia, cedo ou tarde, trágica ou tranquilamente. Fumar cigarros ou maconha, beber álcool ou café, isso é só um dos milhares de jeitos que as pessoas buscaram de atenuar o desprazer dessa vida cheia de regras chatas e irritantes, que as pessoas não podem ser felizes por se sentirem presas a valores morais cristãos e ultrapassados que não fazem sentido algum na nossa sociedade nem nos conhecimentos que nos baseamos hoje em dia.
A natureza humana é embriaguez, por isso, de sociedades primitivas a grandes centros urbanos e modernos, estamos sempre buscando momentos de libertação da consciência desse mundo, e criar nosso "mundinho rosa e feliz". Sem estragar, sem diminuir. Realidade sempre faz a gente infeliz e é uma das coisas mais engraçadas da nossa espécie que quanto mais tenta melhorar a vida, mais se sente presa e infeliz e tem mais necessidades de psicoativos para sanar essa necessidade de liberdade.

Ser viciado não é bom, e se isso te encomoda ou começa a se tornar patológico (ou seja, passa ser algo que impede que você viva bem em sociedade) você pode tentar parar, querer parar e até conseguir parar (e eu rezo para que consiga, de verdade)! Mas não tem jeito. Você é um viciado na química do seu próprio corpo. E eu admiro eremitas, iogues e monges budistas por tentarem tão ferrenhamente conter seus desejos libidinosos, contendo seu eu, sua vida e seus instintos. Infelizmente, eu não acredito nisso. Mas estamos sempre tentando substituir desejos, para n
ão exagerar, para não ultrapassar uma cota que criamos, pelo nosso próprio bem, para preservar nossa vida. Mas não tente sanar seus vicios, porque bem ou mal, eles colocam um sorriso no seu rosto e fazem você viver essa vida boa, com essas pessoas maravilhosas e esses momentos incríveis.

Um brinde aos teus vícios!


Um comentário:

  1. Alias, hoje é aniversário do meu irmão (: Parabéns para ele!

    ResponderExcluir

Tell me you're not vicious...