terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Devir


Eu não sei quem sou
E agora que me dou conta disso
Me sinto vazia
E me pergunto o por quê?
Eu sempre tive tanta certaza
Agora nada resta
E eu me desdobro
E me desfaço
E nada descubro
E não descobrirei
Porque a cada dia eu me transformo
Eu sou mutação, metamorfose
Eu sou o estante do ser
Que preenchido de incertezas
Tenta encontrar algo de imutável no ser
Apenas para dizer, com certeza
Eu sou.

Um comentário:

Tell me you're not vicious...